pt|en

Ficha técnica

Realização, produção, concepção e narração

Sofia Saldanha

Sofia Saldanha nasceu em Braga e começou a trabalhar em rádio quando ainda estudava na escola secundária. Durante 15 anos foi uma das vozes da Rádio Universitária do Minho. Fez um mestrado em rádio no Goldsmiths College, em Londres, e completou o curso de rádio do Salt Institute for Documentary Studies, em Maine, nos EUA. Em 2010 recebeu o Best New Artist Award no Third Coast International Audio Festival, em Chicago. Sofia é membro do In The Dark, uma organização sem fins lucrativos, sediada em Londres, dedicada a divulgar e financiar trabalhos radiofónicos de cariz criativo. Durante alguns meses do ano Sofia trabalha como cuidadora de pessoas idosas.

imagem: Diana Tinoco

Entrevistados

Antonio Cardiello nasceu em Itália em 1975. Doutor em filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é membro do Centro de Filosofia (CFUL) do mesmo instituto e membro do Instituto de Filosofia da Universidade Nova de Lisboa (IFILNOVA) onde desenvolve um projecto de pós-doutoramento financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Co-director do projecto de digitalização da Biblioteca de Fernando Pessoa (on-line desde 2010), editou Uma Stirpe incognita (EDB Edizioni, 2016) e co-editou A Biblioteca particular de Fernando Pessoa (D. Quixote, 2010) e Nietzsche e Pessoa. Ensaios (Tinta-da-china, 2016). Comissário de exposições internacionais sobre Fernando Pessoa, interessa-se pelo pensamento português contemporâneo e pela aproximação entre tradições filosóficas ocidentais e orientais.

Antonio Cardiello

Escritor, gestor e jornalista, António Mega Ferreira nasceu em Lisboa em 1949, estudou Direito e Comunicação Social e foi jornalista profissional de 1975 a 1986, na imprensa escrita e na televisão. Foi Director Editorial do Círculo de Leitores de 1986 a 1988, chefiou a candidatura de Lisboa à EXPO’98 e foi seu comissário executivo. De 2006 a 2012, presidiu à Fundação Centro Cultural de Belém. Actualmente, é Director Executivo da AMEC|Metropolitana. Como escritor, tem mais de trinta obras publicadas, entre ficção, ensaio, poesia e crónicas.

António Mega Ferreira

Fernando Cabral Martins é professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Publicou Cesário Verde ou a Transformação do Mundo, Lisboa, Comunicação, 1988; O Modernismo em Mário de Sá-Carneiro, Lisboa, Estampa, 1994; O Trabalho das Imagens, Lisboa, Aríon, 2000; Julio. O Realismo Mágico, Lisboa, Caminho, 2005; Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa, Lisboa, Assírio & Alvim, 2014; Mário Cesariny e o Virgem Negra, Lisboa, Documenta, 2016. Coordenou um Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português, Lisboa, Caminho, 2008. Organizou antologias e edições de Luiza Neto Jorge, Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa – bem como, em colaboração, edições da obra literária de Almada Negreiros e de Alexandre O’Neill, bem como as séries antológicas Pessoa Breve e Almada Breve (Lisboa, Assírio & Alvim).

Fernando Cabral Martins

Professor, tradutor, crítico e editor, Jerónimo Pizarro é o responsável pela maior parte das novas edições e novas séries de textos de Fernando Pessoa publicadas em Portugal desde 2006.

Professor da Universidade dos Andes, titular da Cátedra de Estudos Portugueses do Instituto Camões na Colômbia e Prémio Eduardo Lourenço (2013), Pizarro voltou a abrir as arcas pessoanas e redescobriu «A Biblioteca Particular de Fernando Pessoa», para utilizar o título de um dos livros da sua bibliografia. Foi o comissário da visita de Portugal à Feira Internacional do livro de Bogotá (FILBo) e coordena há vários anos a visita de escritores de língua portuguesa à Colômbia. Co-editor da revista «Pessoa Plural», assíduo organizador de colóquios e exposições, dirige actualmente a Colecção Pessoa na Tinta-da- china.

Jerónimo Pizarro

José Barreto, sociólogo e historiador, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa entre 1975 e 2015. A partir de 2005, dedicou-se principalmente ao estudo e edição dos escritos políticos e sociológicos de Fernando Pessoa. Nesta área temática, publicou recentemente: "History of a Dictatorship: an unfinished political essay by the young Fernando Pessoa", inPortuguese Literary & Cultural Studies, nº 28, Dartmouth, 2015, pp. 109-142, “O ano do Orpheu em Portugal” e “António Ferro: o ‘editor irresponsável’”, in Steffen Dix (ed.), 1915 - O ano do Orpheu, Lisboa: Tinta da China, 2015, pp. 67-95 e 215-224,  “A poesia política de Fernando Pessoa”, in Abril – Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, n.º 14 (2015),Fernando Pessoa, Sobre o Fascismo, a Ditadura Militar e Salazar, ed. José Barreto (Lisboa: Tinta da China, 2015), “Fernando Pessoa: germanófilo ou aliadófilo?”, in Pessoa Plural - A Journal of Fernando Pessoa Studies, n.º 6, Fall 2014, pp. 152-215.

José Barreto

(Assina as suas obras como: MIGUEL ROZA)

Nasceu na casa atualmente intitulada: CASA FERNANDO PESSOA em Lisboa em 1931/01/01, tendo convivido com Fernando Pessoa, seu tio até aos 5 anos de idade. Frequentou os primeiros 4 anos de escolaridade no “Queen Elyzabeth School (inglesa). Frequentou o liceu na Éccole Française de Lisbonne (francesa). Licenciado em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina de Lisboa.(1958) É Especialista em Cirurgia Geral e Especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular pelos Hospitais Civis de Lisboa, sendo um dos fundadores em Portugal desta última especialidade. Foi Assistente durante dois anos de Clínica Cirúrgica na Faculdade de Medicina de Lisboa.(no Hospital de Santa Marta) Como obras criativas é autor dos livros: “ENCONTRO MAGICK – FERNANDO PESSOA E ALEISTER CROWLEY Edit.HUGIN (2001); 2ª Edição da editora Assírio&Alvim (2010),  “DE MÉDICO E LOUCO DE TUDO UM POUCO” Edit. HUGIN (2003), “SALPICANDO POESIA” Edt. São Rozas (2006),  “FIZ DAS TRIPAS CORAÇÃO” Edit. São Rozas (2008). Organizador e tradutor do livro: “TROLHAMENTO DOS 33 GRAUS DO RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITE” Edit. São Rozas (2012), “O TEMPLÁRIO COM DUAS VIDAS” (Iº Tomo duma trilogia de Romances) Edit. São Rozas (2014). Tem feito alguns quadros expostos em diversas exposições. Tem feito numerosas palestras sobre o seu tio, por convite, tanto em Portugal, como na Madeira, França, Venezuela, Alemanha e Brasil. Pertenceu a uma ONG de apoio de Saúde e Língua Portuguesa, nas ilhas de S. Tomé e Príncipe, Pertenceu à Associação de Fernando Pessoa e a um movimento “Psicadélico: A OUTRA FACE DA LUA. Fundou dois Clubes Rotários, tendo sido num deles o seu 1º Presidente. Promoveu os: ENCONTROS DE POESIA DO HOSPITAL DE SANTA MARTA (Este ano vai ser o IXº).

Pertence aos Órgãos Directivos da Liga dos Amigos do Hospital de Santa Marta desde há 10 anos.

Luís Miguel Nogueira Rosa Dias

Nome completo: Maria Manuela Nogueira Rosa Dias Murteira. Natural de Lisboa, nasceu na R. Coelho da Rocha nº 16 – 1º Dtº.  – hoje Casa Fernando Pessoa

Nome usado na vida literária: Manuela Nogueira.

Habilitações: Além do curso geral dos liceus, domínio do inglês e do francês por ter frequentado escolas das respectivas nacionalidades. Curso sobre «Short stories» no Regent Institute de Londres. Cursos no IADE de Cerâmica (Mestre Calado), Pintura e Desenho (Mestre Lima de Freitas) e História de Arte (Prof. Dr. António Quadros). Devido a uma curiosidade constante assistiu a inúmeros pequenos cursos de variados assuntos. Podendo apenas afirmar-se como autodidata.

Ocupação: Há mais de quarenta anos que se dedica à área da escrita e da promoção de leitura em escolas e bibliotecas.

Na qualidade de sobrinha de Fernando Pessoa, com quem viveu longos períodos até aos dez anos, é chamada para testemunhar sobre assuntos a ele referentes. Assim, como um dos membros fundadores da Associação Fernando Pessoa, participou em actividades relacionadas com a obra do poeta.

Trabalhou como free-lancer no setor imobiliário durante vinte e cinco anos.

Publicações:  «O DEDO INDICADOR E OUTROS CONTOS» – Edição de Autor, 1962; «O PINTOR LOUCO DO MEU TEMPO», romance – Guimarães Editores, 1966; «O MELHOR DO MUNDO SÃO AS CRIANÇAS» – com poesias de Fernando Pessoa dedicadas a crianças. Contém dados biográficos em síntese do poeta e as memórias da Autora. Assírio & Alvim, 1998; «QUARTETO A SOLO» – livro de poesias com a participação de Teresa Zilhão, Madalena Férin e José Núncio – Hugin Editores, 2000.; «PASSEIO A DELFOS E OUTROS CONTOS» –  Hugin Editores, 2000.; «DOIS AMORES NAS TORRES GÉMEAS DE MANHATTAN E OUTROS CONTOS» –  Hugin Editores, 2002; «FERNANDO PESSOA – IMAGENS DE UMA VIDA» – Assírio & Alvim, 2ª. Edição, 2005; «RITUAL SEM PALCO» – Vela Branca, 2006, em primeira edição.; «O MISTÉRIO DO MUNDO DOS SONHOS» – Edições Vela Branca, 2010.; «”CONVERSAS” COM A TIA VALENTINA» - DG Edições, Lisboa, 2014; «O MEU TIO FERNANDO PESSOA» - Editora Centro Atlântico, Famalicão, 2015.; «UMA AVENTURA NA QUINTA DA FURADA» – 1ª edição Atlântida de Coimbra e 2ªs Edições Vela Branca (1970 e 1990); «O PILHA GALINHAS» – 1ª edição Atlântida de Coimbra, 1972 e 2ª edição, Portugalmundo 1996; «MINHA AMIGA LAGARTIXA» – Ática Editores, 1981 (esgotado); «O JARDIM DOS MIL CHEIRINHOS» – 1ª e 2ª edições, Edições Vela Branca. (1988 e 1993); «O ESTRANHO CASO DO TÚNEL» – Colecção à Descoberta, Editorial Presença, 1992 (um dos livros escolhido no ano 2000 para as Olimpíadas da Leitura, uma iniciativa do Círculo de Leitores) (esgotado); «O ESTRANHO CASO DO HOMEM DESAPARECIDO» – Colecção À Descoberta, Editorial Presença, 1993 (esgotado); «O TEATRO NA ESCOLA» – Editorial Nova Arrancada, 1998 (uma das peças foi representada por alunos do CEBI – Alverca e pelo Grupo Teatral S. Gonçalo, na Madeira); «COMO SE FAZ O PÃO» – um dos volumes da Colecção “Observar e Explorar”, Edição Nova Presença, 1998; «O CASTELO DO RODRIGO» – Editorial Verbo, 2002. Colecção: histórias e lugares; «BOAS-FESTAS» - Editado por Lyons Clube Lisboa Benfica, 2006, e feito em colaboração com mais seis escritoras; «O Vasco, a família e os amigos» – Edições CADIN, 2009; «O Vasco e o dia do aniversário do pai» – Edições CADIN, 2009.

Colaborou em vários jornais e revistas. Organizou a exposição: “Uma memória familiar” sobre o seu tio Fernando Pessoa em Março de 1996 na Casa Fernando Pessoa. Texto desta exposição publicado na Revista «Tabacaria» da Casa Fernando Pessoa.

Manuela Nogueira

Manuela Parreira da Silva é professora do Departamento de Estudos Portugueses da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde lecciona as cadeiras de Cultura Portuguesa do século XX, Estudos Pessoanos e Estudos do Modernismo. Dedica-se, enquanto investigadora, ao estudo dos espólios de Fernando Pessoa e Almada Negreiros, tendo sido responsável pela edição de textos pessoanos, entre os quais:

Fernando Pessoa, Correspondência Inédita, Lisboa: Livros Horizonte,1996;

Fernando Pessoa, Correspondência, vols. I e II, Lisboa: Assírio & Alvim, 1998-9;

Ricardo Reis, Poesia, Lisboa: Assírio & Alvim, 2000;

Ricardo Reis, Prosa de Ricardo Reis, Lisboa: Assírio  Alvim, 2003;

Fernando Pessoa, Poesia, vols. I, II e III, Lisboa: Assírio & Alvim, 2006 [em colab.].;

Cartas de Amor de Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz, Lisboa: Assírio & Alvim, 2012;

Fernando Pessoa, O Regresso dos Deuses e outros escritos de António Mora, Lisboa: Assírio & Alvim, 2013.

Colabora assiduamente na revista Colóquio-Letras e é também autora de poesia - O Álbum de Vishnu (Assírio & Alvim, 1999) e Entre Cão e Lobo (Assírio & Alvim, 2007) – e do ensaio Realidade e Ficção - para uma biografia epistolar de Fernando Pessoa, Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

Manuela Parreira da Silva

(Valladolid, Espanha, 1983). Doutor em Filosofia pela Universidade de Valladolid. É autor de diversas publicações e edições ligadas à dimensão filosófica, estética e ibérica de Fernando Pessoa, o pensamento poético, a vontade de ilusão, o conhecimento trágico e a filosofia da cultura portuguesa. É colaborador do suplemento cultural ‘La sombra del ciprés’ de El Norte de Castilla.

Publicou ainda vários livros de poemas e tem traduzido diversos escritores e poetas de língua

portuguesa, entre eles Eduardo Lourenço e António Osório.

Pablo Javier Pérez López

Artista e astróloga, nascida em 1974 em Santarém. Licenciada pela FBAUL em Belas Artes-Pintura, expõe desde 1997. Iniciou os estudos em Astrologia aos 33 anos e desde então que esta área vem reclamando um lugar na sua vida e no espaço do atelier 39'93 em Lisboa, junto das artes. Pratica aconselhamento há 7 anos, aprofundando estudo e investigação. É a autora da 'Mandala Astrológica 2013' e do 'Calendário 4 Estações', editado pela Associação Portuguesa de Astrologia (2014 e 2015), projectos onde o desenho gráfico veio reunir as duas vertentes do seu percurso.

Patrícia Nazaré Barbosa

Investigador de Pós-Doutoramento no IELT, unidade de investigação da FCSH da Universidade Nova de Lisboa, onde também ensina. Lecionou cursos, enquanto Professor Convidado, na FCSH-UNL, FLUL e Universidade de Colónia. A sua investigação centra-se na modernidade literária e filosófica, com acento particular na obra de Fernando Pessoa. Coordena o projeto de investigação “Estranhar Pessoa”, financiado pela FCT entre 2013 e 2015 (cf. http://estranharpessoa.com/) e, desde 2017, a Comissão Editorial do IELT. Publicou o ensaio decorrente da sua dissertação de doutoramento Os livros de Fernando Pessoa (Ática, 2013) e um estudo e antologia dos projetos editoriais de Pessoa, O planeamento editorial de Fernando Pessoa (em co-autoria com Jorge Uribe, INCM, 2016). Tem trabalhado também enquanto tradutor de autores de língua alemã e editor da obra de Pessoa, encontrando-se neste momento a coordenar uma edição digital dos seus projetos e publicações em vida.

Pedro Sepúlveda

Licenciado em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa.

Professor de yoga e meditação alguns anos

Em 1988 e 1989 Co-director da Associação Waldorf de Lisboa, onde proferiu conferências

Publica em 1988 e 1989, após consulta prolongada do espólio do Fernando Pessoa na Biblioteca Nacional, a Agenda do Centenário de Fernando Pessoa e o Livro da Sabedoria Portuguesa, e quatro livros de inéditos de Fernando Pessoa, comentados: Moral, Regras de Vida e Condições de Iniciação; A Grande Alma Portuguesa; A Rosea Cruz; Poesia Profética, Mágica e Espiritual.

Publica em 1998 O Livro dos Descobrimentos do Oriente e do Ocidente, a propósito dos Quinhentos anos do Descobrimento do caminho marítimo para a Índia.

Entre 2003 e 2005, Co-fundador, com Sofia Costa Quintas e Célia Costa Cabral ,da Livraria e Galeria Pessoas e Saberes, em Lisboa, onde realizou conferências e cursos

Em 2006, dá à luz a tradução comentada do texto sânscrito Cântico da Consciência Suprema, Astavakra Gita.

Em 2008  faz a tradução (com Álvaro Pereira Mendes), e introduz, comenta e anota o Modo de Orar a Deus, de Erasmo de Roterdão, nas Publicações Maitreya.

Em 2008 colabora com doze entradas no Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português, coordenado por Fernando Cabral Martins, da editorial Caminho.

Em 2010 participou na galeria Novo Século, de Carlos Barroco e Nadia, na exposição colectiva de artes plásticas intitulada “O Amor é Cego”, com livros de artista manuais.

Em Maio de 2015 publica o livro de trinta e três ensaios intitulado Da Alma ao Espírito, nas publicações portuenses Maitreya.

Em Junho de 2015 é co-prefaciador da Mensagem, de Fernando Pessoa, ilustrada por 25 artistas e editada pela Prelo Arte, e coordenada por José Maria Ribeirinho.

Tem trabalhado como especialista do livro antigo, catalogando e comentando em alfarrabistas ou leiloeiras lisboetas, de 1994 a 2017.

Tem proferido  numerosas conferências sobre  a Espiritualidade em várias tradições ou seres notáveis.

Colaborou em jornais e revistas, tais como Público, Raiz e Utopia, Arte e Opinião, Nova Renascença, Arte Ibérica, Agenda Cultural de Lisboa, Singularidades, Ar Livre, Nova Águia, Artes e Letras, Transdisciplinar, Pessoa Plural (nº 9, Oriente).

Tem uma página no https://pedroteixeiradamota.blogspot.com.” e um canal no Youtube, também sob o mesmo nome, e fundou algumas páginas culturais no Facebook, tais como Antero de Quental, escritor; Culto das pedras, das árvores e das águas; Anjos e Arcanjos de Portugal e de Deus; Do Amor e da leitura dos livros, Books lover's, Aimer les Livres; Procura a Verdade, Searching the Truth; Pico, Ficino, Erasmo, Góis e Pina Martins; Amigas e Amigos do Martinho da Arcada, A Tradição Espiritual Portuguesa e os seus elos, Santo Graal em Portugal e no Mundo, etc.

Continua a investigar a Tradição Perene, a Tradição Espiritual Portuguesa, as ligações entre Ciência moderna e consciência e a aprofundar a meditação e os mistérios do ser humano, do Cosmos subtil e da Divindade.

Pedro Lencastre Teixeira da Mota

Richard Zenith, originário dos EUA, emigrou para Portugal em 1987. Investigador, ensaísta e organizador de numerosas edições de Fernando Pessoa, é também conhecido como tradutor — de Camões, de Pessoa e de poetas mais recentes .

Richard Zenith

Rita Patrício é Professora da Universidade do Minho. É também investigadora colaboradora do IELT (FCSH), integrando a equipa do projecto «Estranhar Pessoa». Editou, com Jerónimo Pizarro, em 2006, as Obras de Jean Seul de Méluret (edição crítica de Fernando Pessoa). Publicou em 2012 Episódios. Da teorização estética em Fernando Pessoa e em 2016 Apontamentos: Pessoa, Nemésio, Drummond.

Rita Patrício

Steffen Dix formou-se em Ciência das Religiões (enquanto cadeira principal, com especialização em fenómenos religiosos na literatura europeia), Filosofia e Filologia Portuguesa, e doutorou-se na Universidade de Tübingen em Ciência das Religiões.

Nos últimos anos, trabalhou no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL) paralelamente sobre o modernismo em Fernando Pessoa (nomeadamente em relação aos seus escritos teóricos) e sobre a teoria da secularização. No que diz respeito a estes dois interesses

científicos, organizou diversos eventos académicos em Portugal e no estrangeiro, participou em projetos internacionais e divulgou as suas pesquisas em revistas académicas ou editoras internacionais. Está a dirigir a edição da Obra Completa de Fernando Pessoa na Alemanha (no Fischer-Verlag).

Atualmente é coordenador executivo do Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião na Universidade Católica (CITER-UCP) onde desenvolve pesquisas sobre a relação entre o modernismo e as transformações religiosas no século XX.

Steffen Dix

Teresa Rita Lopes é escritora e investigadora (sobretudo da obra pessoana, de que iniciou recentemente uma colecção de 7 volumes, na editora brasileira Global, da sua poesia e ficção, com as obras Livro(s) do Desassosego e Vida e obras de Alberto Caeiro). Tem, como ensaísta,  vasta obra sobre Pessoa. Dirige - desde que, em 1976, regressou a Lisboa do seu exilo, em Paris, como professora para a Universidade Nova de Lisboa – uma equipa de estudiosos sobre Pessoa e os modernistas, IEMO, e, agora, uma revista on-line, Modernista.  É também autora de poesia (8 livros), estando Cicatriz traduzido para espanhol e francês; há antologias dos seus poemas em italiano, francês, espanhol e catalão. Tem publicado também contos e teatro : Teatro Reunido,, 2 volumes,  tendo sido várias dessas peças representadas em Portugal e no estrangeiro. A SPA publicou-lhe uma montagem de textos pessoanos, Véspera de Partida; uma outra montagem pessoana, “Les voyages de l’insomnique”, foi representada, com amplo aplauso da crítica, num teatro de Paris, (Théâtre des Débardeurs, durante os meses de Março e Abril 2016).Vários prémios em todos esses géneros, e “Prémio de consagração” da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2011. Sócia efectiva da Academia das Ciências de Lisboa.

Teresa Rita Lopes

Leituras

André Soares

Introdução

Tenho feito um percurso profissional no lançamento e implementação de projectos editoriais na área da comunicação social, redes sociais e ativismo político. Comecei na rádio pelo fascínio que ela me causava e depois segui na televisão ajudando a montar programas de um canal de televisão em Angola, canal dois da Televisão Pública de Angola e TPA Internacional (Televisão Pública de Angola). Fui ainda responsável por programas orientados para a juventude com elevados níveis de popularidade como o Bounce Angola, concurso de dança, o concurso Elite Model Look responsável por recrutamento de modelos em Angola e o programa elaborou um mapeamento do movimento da dança kizomba pelo mundo chamado Kizomba Nation.

Passei pela direcção e coordenação da revista de Moda e Estilos de Vida Divo Magazine e fiz pesquisa, guião e entrevistas do documentário Bangaologia- a Ciência do Estilo.

No meu currículo tenho ainda experiência de vários países como a Alemanha, os países do Balcãs como a  Macedónia tendo trabalhado em projetos em em Cabo Verde, Moçambique e Angola. Gosto de conhecer o funcionamento das sociedade e culturas tendo adquirido muitos contatos a partir dos projectos que fui concretizando.

No campo acadêmico passei por várias universidades em Portugal e na Alemanha.

Em 2015 defendi a minha dissertação sobre prática e difusão da kizomba pelo mundo ao  abrigo do Mestrado em Antropologia, especialidade Globalizações, Migrações e Multiculturalismo estando a tese focada nos fluxos e circuitos contemporâneos na cultura e economia.

Neste momento encontro-me a fazer Doutoramento estado implicado no  desenvolvimento de trabalhos de consultoria em comunicação e em projetos editoriais bem como na produção de novos formatos.

Leonor Forjaz

Fernando Pessoa menino

A pequena adora chocolates.

Tem sido campeã em tudo, semideusa e gente.

Nasceu ao virar do século num dia cinco.

Das pias escolhe a número seis,

Porque se penteia com bolos-reis.

Maria Leonor Forjaz é ginasta e campeã nacional.

Guarda as medalhas das conquistas no mundo,

Embora as considere um pouco ridículas.

E do zodíaco sabe apenas que é escorpião.

Com ascendente em escorpião.

Jorge Louraço

Fernando Pessoa

JORGE LOURAÇO escreveu Cassandra de Balaclava, Xmas qd Kiseres e O Espantalho Teso, entre outras peças. Fez a Oficina de Escrita Teatral de Antonio Mercado no TNSJ, o Seminário Traverse Theatre, com Enda Walsh e John Tiffany, nos Artistas Unidos, a Residência Internacional do Royal Court Theatre, e o Seminário de Escrita Teatral de J. S. Sinisterra no Teatro Nacional Dona Maria II. No Brasil, trabalhou com os encenadores Marco Antonio Rodrigues, Cibele Forjaz e Marcelo Lazzarato e publicou Verás Que Tudo É Verdade, sobre o grupo Folias (SP).

 

Doutorando em Estudos Artísticos, pela Universidade de Coimbra, com uma bolsa atribuída pela FCT, é docente na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE). Foi dramaturgo residente na Oficina Municipal de Teatro, em Coimbra; diretor artístico do Teatro Oficina, em Guimarães; crítico de teatro no jornal Público; e Júri dos Apoios Pontuais ao Teatro em 2004 e em 2007.

 

Colaborou com várias publicações, como o Léxico de Pedagogia do Teatro, editado pela editora Perspectiva, e com as revistas Drama, Sinais de Cena, Camarim, Crioula, Hemisférica, Caderno de Ensaios e Adágio, e coordenou numerosos eventos, seminários, encontros e workshops ligados à dramaturgia, em Portugal e no Brasil. Tem várias peças publicadas e levadas à cena, tendo a sua peça Êxodos sido nomeada para o Prémio de Melhor Dramaturgia da APCA.

Hugo Curado

Ricardo Reis

Nasceu com o anúncio dos cravos. Vive a lambuzar-se na metafísica. Morrerá contrariado, à procura de biografia.

Luís Barroso

Álvaro de Campos

Luis José Dias Barroso, 46 anos, natural de Braga. Licenciado em ensino na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo na Variante de Educação Visual e Tecnológica, De 1994 a 1998, fez parte do elenco de atores residentes da Companhia de Teatro do Noroeste de Viana do Castelo. Participou em recitais de poesia no Sindicato de Poesia de Braga. Atualmente é vocalista de uma banda de rock bégueiro de seu nome "La resistance".

António Durães

Alberto Caeiro

Profissional de teatro desde 1984, fez a sua formação na Escola de Formação Teatral do Centro Cultural de Évora.

Faz teatro, primeiro como actor amador, depois profissionalmente e, por fim, como encenador.

Tem feito, igualmente, algum cinema e alguma televisão.

É, desde 2001, professor de interpretação (nos cursos de teatro e música/canto lírico) da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE).

Integra o colectivo do Sindicato de Poesia.

António Fonseca

Bernardo Soares

António Fonseca é licenciado em Filosofia e fez o curso de Formação de atores do CC Évora. Participou nos espectáculos Força Humana ( a partir de Os Lusíadas) com José Neves (2017); Frei Luís de Sousa, de A. Garrett, enc. Rogério de Carvalho (2016); Ricardo III, de W. Shakespeare, enc. Tónan Quito (2015) Cais Oeste, de B.-M. Koltès, enc. Ivica Buljan (2014); O Contrabaixo, de P. Suskind, enc. António Mercado (2014); O Preço de A. Miller, enc. João Lourenço (2013), entre muitos outros. Faz também cinema e televisão.  Gravou Os Lusíadas como nunca os ouviu (audiolivro com a gravação integral da obra de Camões, 2016). É Professor no Curso de Teatro e Educação da ESECoimbra (desde 2000). Recebeu vários prémios de interpretação.

Paulo Bragança

Mário de Sá-Carneiro

O fadista Paulo Bragança nasceu em Luanda. A sua irreverência e espírito livre, revolucionou o fado em Portugal nos anos 90. Gravou quatro discos, entre os quais Amai, editado em 1994, que entrou para o catálogo da editora Luaka Bop de David Byrne. No cinema, participou no filme Tráfico de João Botelho e na curta metragem Henry and Sunny do realizador Irlandês Fergal Rock. Depois de alguns anos a viver na Irlanda, está de regresso a Portugal e a preparar novos discos.

imagem: Luís Carvalhal

Marta Campos

Ofélia Queiroz

Marta Campos nasceu em Águeda em 1995 e vive em Lisboa. Estudou Economia no Instituto Superior de Economia e Gestão. Trabalha desde Agosto de 2017 na Siemens na área financeira. Tem como principais interesses viajar e adora experimentar a gastronomia dos sítios por onde passa.

José Filipe Costa

Aleister Crowley

José Filipe Costa é doutor pelo Royal College of Art, Londres e licenciado e mestre em Ciências da Comunicação pela FCSH-UNL. Tem leccionado no IADE, Universidade Lusófona, Instituto Politécnico de Tomar e ETIC. Foi professor visitante na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Escreveu e realizou as curtas metragens A Rua (2008), Chapa 23 (2006), Domingo (2005) e Undo (2004) e os documentários Linha Vermelha (2011), Entre Muros (2002) e Senhorinha (1999). Os seus filmes foram apresentados em festivais internacionais de cinema como Cinéma du Réel, Viennale, PlanetaDoc, Fórumdoc.bh, Fidé Brasil, Festival de Curtas do Rio de Janeiro, IndieLisboa, Curtas de Vila do Conde, entre outros, e foram exibidos em vários canais de televisão como RTP, Futura-Brasil e ZDF-Arte. É autor do livro “O cinema ao poder!” (2002 e 2015).

Masterização

Lisboa, 1976.

Baterista e percussionista, engenheiro de som e sonoplasta.

Toca em diversos projectos musicais, dos quais se destacam The Selva, Hamar Trio, Wednesday, Love that Lava, PARQUE, Pinkdraft, Torres+Faustino+Morão, Variable Geometry Orchestra, IKB, Ensemble JER, Madalena Palmeirim, Chão da Feira, Nome Comum e Nuno Sanches. Grava, edita e mistura som para cinema.

É engenheiro de som no Scratch Built Studio e co-editor na BOCA, editora portuguesa de audiolivros. Gosta de caminhar pelas serras, fazer gravações-de-campo, e fotografar comboios.

Nuno Morão

Música Original

a partir de Un soir à Lima, Op.99 de Félix Godefroid

Nascida em braga a 18 de janeiro de 2007, frequenta o Conservatório de Música Calouste Gulbenkian nesta cidade. Estuda piano e dedica-se à composição das suas próprias músicas.

Carolina Machado

Lia de Castro Soares Magalhães nasceu em 24 de Março de 2007.

Aluna do 5º ano de escolaridade do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, e do 2º grau da Arte Total (estrutura especializada nas áreas da Educação e Produção Artística),  onde é também avaliada pela Royal Academy of Dance.

Integrou os espectáculos “Desreal”, “Escadas Zero”, “Escuta” e “Lago dos Cisnes”.

Participou no “Piano Day”, no I Concurso Regional de Piano do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga, categoria E, e no VI Concurso Regional de Piano e Órgão de Vila Verde, categoria A, obtendo em ambos o 1º prémio

Lia Magalhães

Consultores

José da Conceição Pires Correia, Licenciado em Sociologia e Pós-Graduado em Sociologia das Religiões. Técnico Superior da Câmara Municipal de Lisboa. Exerce funções de pesquisa bibliográfica e consultoria na biblioteca da Casa Fernando Pessoa, desde 2009.

José Correia

Nasceu em Oeiras, em 1969. Escritor e investigador literário, cursou Direito na Universidade de Lisboa e Ciências da Comunicação na Universidade Nova. Foi fundador da rádio XFM, colaborando pontualmente com as estações "irmãs", Energia e TSF. A partir de 1995, iniciou uma colaboração regular com a revista Notícias Magazine, trabalhando também em assessoria cultural com o Clube Português de Artes e Ideias e a Câmara Municipal de Lisboa, na coordenação do gabinete de imprensa das Festas de Lisboa, até 1997. Integrou a equipa da agência de comunicação NR/Hill & Knowlton, daí saindo para fundar a agência Multicom. Foi consultor de marketing e comunicação da Associação Portuguesa de Franchise e voltou à rádio, como animador, aos microfones da Rádio Paris Lisboa e Rádio Europa Lisboa. É, actualmente, realizador na Rádio Movimento. Publicou o poemário «Paixão ou A Batalha Contra as Sombras», com prefácio de Mafalda Arnauth e Carlos Pinto Coelho. É

membro da equipa da Casa Fernando Pessoa desde 2012. Edita, desde 2013, o projecto online de divulgação pessoana "O Meu Pessoa". É colaborador da revista académica Pessoa Plural. Orienta, em Lisboa, visitas guiadas ligadas à temática pessoana e presta assessoria, nesta área, a projectos turísticos, empresariais e culturais. É especialista em assuntos pessoanos e publicou já, pela Verso de Kapa, os livros “O Quarto Alugado – A vida de Fernando Pessoa revisitada por um velho amigo” (2014) e “Fernando Pessoa para todas as pessoas” (2015).

Ricardo Belo de Morais

 

Apoio à dramaturgia: Jorge Louraço, Eugénia Brito e André Soares

 

Eugénia Brito (Arcos de Valdevez, Portugal, Outubro de 1973) é professora, mas faz incursões por várias áreas profissionais: teatro, tradução, geriatria, hotelaria, agricultura. Às vezes, compõe livros e assina um blogue com textos sobre temas avulsos da actualidade, poesia e outras trivialidades. É autora dos romances: Carne Torpe (2002), Fecha a Porta Devagar (2008), Zapping Sobre as Madrugadas Idênticas (2011) e Não Sabias o que Levavas às Costas? (2014)

Em 2010 recebeu o Prémio Literário Cidade de Almada, com o romance Zapping Sobre as Madrugadas Idênticas.

Eugénia Brito

Versão em Inglês

 

Traduzido por:  Eugénia Brito

 

 

Vozes :  Amanda Booth, Bartholomew Ryan, Jonathan Wheightman e Paulo Bragança

 

Amanda Booth é atriz, locutora e tradutora e reside em Lisboa. Participou em vários espetáculos de e sobre Fernando Pessoa incluindo Ophelinha – uma peça inspirada nas suas cartas de amor a Ofélia Queiroz que foi apresentada no Centro Cultural de Belém – e O Marinheiro – uma obra escrita pelo próprio Pessoa, com a qual fez uma digressão por diversas universidades inglesas e que esteve presente no Festival de Edimburgo. Mais recentemente, criou o projeto Countless Lives, uma introdução à obra de Fernando Pessoa concebida para fins de turismo cultural, com leituras dos seus poemas e a história dos seus heterónimos e que é representada em cafés, jardins, livrarias e hotéis de Lisboa.

Amanda Booth

Nascido em Dublin, Bartholomew Ryan é um investigador, escritor e músico no Nova Instituto de Filosofia na Universidade Nova de Lisboa. Os seus trabalhos académicos e criativos orbitam ao redor do motivo central da 'transformação', que leva em conta as máscaras, viagens e (múltiplas) identidades que definem a condição humana moderna. Entre os vários publicações dele, os livros incluí Nietzsche e Pessoa: Ensaios (co-editor, 2016), Nietzsche and the Problem of Subjectivity (co-editor, 2015), and Kierkegaard’s Indirect Politics: Interludes with Lukács, Schmitt, Benjamin and Adorno (2014). Actualmente coordena o CulturLab no Nova Insituto de Filosofia. É ainda líder e compositor no grupo internacional The Loafing Heroes.

Bartholomew Ryan

Jonathan Weightman estudou Arte Dramática na Universidade de Manchester e fez um curso de pós-graduação na Universidade de Londres. Leccionou na Universidade de Tashkent (ex-URSS), no British Council, Lisboa e na Faculdade de Letras, Lisboa. É tradutor e escritor, autor de varias peças de teatro montadas em Portugal e no Reino Unido, incluindo quatro peças pedagogicas vistas em muitas escolas portuguesas. Como encenador, cenógrafo e ator contribui para  muitos produções nos Lisbon Players e entrou como ator no TNSC, no CCB, no Teatro Aberta, no Culturgest  e no Teatro Taborda.

Jonathan Weightman

imagem: Nuno Martins

Agradecimentos

Anabela Campos, Ana Gabriela Macedo, António Rafael, Sr. Carlos Silva e Gráfica de Sapadores, Clara Riso, Elena Fernandes, Helena Gomes, Maria Helena e Camisaria Pitta, Nina Garthwaite, Oriana Alves, P. S. Polanah, Paulo Oliveira Sousa, Paulo Dias Figueiredo e Tiago Pereira.

 

Este documentário é dedicado ao meu pai.

 

web design by

parceiro tecnológico

  •